segunda-feira, 4 de agosto de 2014

CAIFAZES


Os guerrilheiros da Abolição


A campanha abolicionista ganhou força na década de 1880. E não ficou restrita apenas aos jornais e ao Parlamento, como em anos anteriores. A campanha se deslocou para as ruas e se tornou um movimento popular. A partir do Rio de Janeiro, surgiram, em diversas províncias, sociedades abolicionistas que agitavam a opinião pública. Esse processo levou ao surgimento da Confederação Abolicionista, em 1883, reunindo as sociedades e os movimentos antiescravistas de todo o país. Nesse contexto, um papel destacado coube a um movimento libertador, surgido em São Paulo, conhecido como Caifazes. Esse movimento está intimamente ligado à personalidade de seu criador, Antônio Bento de Souza (1843-1898), filho de rica família paulistana. Neste ponto é preciso contar um pouco da trajetória dessa figura excêntrica.

Antônio Bento

Era visto como uma figura excêntrica por seus modos e aparência, que atraiam a atenção dos mais desavisados quando ele passava. As descrições dele feitas chamam a atenção para as peculiaridades de seu perfil – como fica claro nestas palavras de Raul Pompéia, escritas no dia de morte de Antônio Bento: “Magro, estreitado, do tornozelo à orelha, no longo capote preto como num tubo, chapéu alto, cabeça inclinada, mãos nos bolsos, quebrando contra contra o peito pela fenda da gola o rijo cavaignac [cavanhaque, a barba que cresce no queixo dos homens] de arame, o olhar disfarçado nos óculos azuis como lâmina no estojo, marcha retilínea de passo igual tirado sobre articulações metálicas...(Raul Pompéia, “Antonio Bento”, Gazeta de Notícias, 27 de agosto de 1888.)
Antônio Bento havia nascido na capital da província em 17 de fevereiro de 1843. Formou-se pela Faculdade de Direito de São Paulo, em 1868, e três anos depois, foi nomeado juiz municipal em Atibaia, no ano de 1871, aos 29 anos. Pouco depois passou a exercer também a função de delegado de polícia, na mesma cidade. Tornou-se uma figura polêmica na cidade, emitindo com frequência despachos favoráveis aos escravos nas demandas judiciais. Seu argumento era que a escravidão era ilegal desde que o tráfico negreiro havia sido abolido por duas leis: uma de 1831, que não foi respeitada, e por outra de 1850. (Tráfico negreiro era como se chamava o transporte de escravos da África para o Brasil.)
Quando era preciso arbitrar o preço da alforria de um escravo, ele costumava nomear abolicionistas, e isso já era o bastante para provocar contra Antônio Bento a hostilidade das elites locais, geralmente formada por proprietários de escravos e defensores de seus interesses. Chegou a sofrer um atentado em 1871: no momento em que fechava a janela de sua casa, às 10 horas da noite, dispararam-lhe um tiro da rua, ficando toda a carga da espingarda na folha da janela, “a 4 polegadas acima da sua altura.” Diversas reclamações contra ele chegaram ao presidente da província. Entre outras reclamações, ele era acusado de “abuso da autoridade” e de ter pouco “conhecimento das matérias de direito”. As reclamações chegaram ao Ministério da Justiça e ele acabou demitido em 1875, “a bem do serviço público”. Afastado de suas funções oficiais, o ex-juiz se entregou de corpo e alma ao abolicionismo. E se tornaria célebre por isso.

Mudou-se para a capital da província em 1877, passando a dedicar-se à advocacia e ao jornalismo. Em 1880, travou relações de amizade com o abolicionista Luís Gama, que viria a falecer dois anos depois. Diante do túmulo do amigo, fez o juramento de continuar o combate pelo fim da escravidão. Mas sua opção de luta seria diferente daquela de Luís Gama: não seguiria pelo caminho da batalha jurídica, mas sim pelo caminho da ação direta. Nascia ali a ideia de organizar o movimento dos caifazes.


Os Caifazes

A historiadora Maria Lucia Montes, em artigo publicado na Revista de História, nos conta como seria a ação dos caifazes e o papel que teve Antônio Bento. “Negando o instrumento legal da alforria como única via de emancipação, o grupo valia-se da força e da astúcia para atacar diretamente a propriedade escrava. Para isso, contava com centenas de colaboradores anônimos. Organizados em pequenos grupos de ação nas cidades ou disfarçados de caixeiros-viajantes no interior – os chamados “cometas” –, promoviam fugas em massa das fazendas, roubavam escravos em casas de família e realizavam mirabolantes resgates em estações ferroviárias. Depois ajudavam os fugitivos a chegar a refúgios seguros, como o Quilombo do Jabaquara, organizado e mantido por abolicionistas santistas a partir de 1882, e por onde se calcula que passaram cerca de 10 mil escravos fugidos.

Capa da Revista Illustrada, por Ângelo Agostini (1843-1910). Uma sátira à tentativa do
senhor de proteger  seu escravo da liberdade com um guarda-chuva
.
“Um dos segredos de Antônio Bento para costurar sua vasta rede de solidariedade era circular por diferentes setores sociais. Era integrante da Maçonaria, [...] convivendo de perto com membros da elite. O movimento dos caifazes contava assim com a ação de magistrados, advogados, chefes de polícia, parlamentares, jornalistas, comerciantes, donos de armazéns, controladores da Alfândega, empregados em serviços de navegação costeira e de longo curso e até mesmo membros de famílias de fazendeiros e corretores de café, mantendo também, ao mesmo tempo, uma vigorosa rede de apoio popular.
“Os mais abastados bancavam os deslocamentos dos caifazes e “cometas”, a fuga e o refúgio aos escravos foragidos e até as custas dos processos para conseguir sua libertação ou a compra das cartas de alforria. Tratavam também de conseguir para os escravos resgatados colocações como trabalhadores livres em fazendas de café de outras regiões, no porto ou em pequenos serviços urbanos, como carregadores, carroceiros, pedreiros ou vendedores.
“Por sua vez, a arraia miúda do povo, organizada em torno das irmandades negras, dava ao movimento um apoio invisível, mas vital. Era o caso dos modestos empregados das estradas de ferro – ironicamente, a última novidade destinada a incrementar a exportação do café. Graças àqueles caifazes, os trens se tornaram o principal meio para as fugas de escravos, que eram conduzidos clandestinamente até a capital ou o porto de Santos. Cocheiros e carroceiros das estações eram outros a favorecer escapadas espetaculares, em resgates feitos em plena luz do dia. Houve mesmo um caso em que se juntaram a cerca de 500 populares na astuciosa armação de um conflito de rua, onde destemidos capoeiras desbarataram um grupo de policiais e capitães do mato para impedir que dez escravos por eles recapturados, depois de chegarem a Santos escondidos em tonéis de vinho, fossem embarcados no trem que iria conduzi-los de volta a fazendas do interior.



"Fuga de escravos",
tela de François Auguste Biard , de1859.
“Em Santos, gente do povo e até imigrantes se encarregavam de cuidar das necessidades cotidianas da população flutuante de fugitivos do Quilombo do Jabaquara. Era o caso da negra Brandina, uma dona de pensão, e seu amásio, Santos “Garrafão”, português empregado numa casa de comércio de um influente abolicionista. Juntos, Brandina e o português mantinham um pequeno quilombo na Ponta da Praia e forneciam alimentos e cuidados de saúde na Santa Casa de Misericórdia para os refugiados no Jabaquara. “Garrafão” era um dos principais articuladores entre os caifazes de Antônio Bento em São Paulo e os abolicionistas santistas.
“Ao confiscar a mão de obra escrava e inserir os recém-libertos no mercado de trabalho assalariado, Antônio Bento e seus caifazes conseguiram desarticular as bases da economia cafeeira paulista na década de 1880. Suas ações refletiam um sentimento que cada vez mais se generalizava entre todas as classes sociais: o repúdio à escravidão. Quando as próprias forças de segurança começaram a se recusar a perseguir os escravos fugidos tal o seu número, não era difícil antever a proximidade da abolição. Muito mais que uma concessão do poder imperial, ela foi, em São Paulo, uma conquista do povo e dos próprios escravos.”
Bibliografia:
AZEVEDO, Elciene.
MONTES, Maria Lucia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário